FindMe apresenta solução mais inteligente ao processo de monitoramento online de equipes de segurança

Por Gabriel Ranyer

Com o FindMe, o gestor pode visualizar as médias de tempo que sua equipe gasta em cada local e seu índice de eficiência no decorrer dos dias

No livro “Gestão de Riscos na Segurança Patrimonial”, de Tácito Augusto Silva Leite, entramos em contato com um estudo da FENAVIST – Federação Nacional das Empresas de Segurança e Transporte de Valores -, que faz regularmente checagens do setor.

Trata-se do IV ESSEG – Estudo do Setor da Segurança Privada -, publicado no ano de 2014, com dados de 2013. O trabalho mostra que desde 2004, quando foi disponibilizada sua primeira versão, o número de empresas do segmento cresceu mais de 68%. No ano fiscal de 2013, elas movimentaram cerca de R$ 43,5 bilhões e criaram em torno de 700 mil empregos formais.

Embora as perspectivas sejam ótimas, o crescimento do setor é relativamente desproporcional à capacitação e disponibilidade de seus profissionais, devido ao pagamento de adicional de periculosidade de 30%, em obediência à Lei do Ministério do Trabalho e Emprego nº 12.740, e, sobretudo, à informalidade que ainda reina no setor. E isso precisa ser dito.

Um dos problemas diagnosticados por Diogo Vinícius, CEO da startup FindMe, que leva mais inteligência ao processo de monitoramento online de equipes de segurança, é o grande número de rotas e funcionários. Essas empresas possuem muitos lugares para serem monitorados e por esses lugares passam diversas equipes. Fica complicado fazer um monitoramento e diagnóstico eficaz, individual e aprofundado desse pessoal.

Outra carência é a metodológica: o setor possui controle muito lento de comunicação e aplicação entre gerentes e funcionários. Para se ter uma ideia, algumas empresas ainda utilizam a folha de papel com a assinatura do funcionário. Esse é um caso extremo, claro, mas quem domina hoje o mercado é o bastão de ronda da Contronics, que se trata de uma solução analógica fácil de ser burlada.

O que nos leva à aplicação dessa metodologia defasada. Dados gerados sem análise inteligente: relatórios são passados aos clientes sem qualquer estudo de desempenho, tornando o processo totalmente commoditie.

As soluções não buscam entregar uma análise sobre o comportamento do funcionário. Elas apenas mostram se esse bateu seu ponto ou não. Isso atrapalha que o gestor saiba sua eficiência real, gerencie a disposição de sua equipe, nem emita relatórios compreensíveis e dinâmicos para seus clientes e equipes.  São coisas do tipo que evidenciam o buraco no setor e a necessidade de alternativas inovadoras.

Diogo mapeou isso e ergueu a FindMe, um software que trata todas essas informações em tempo real e manda alertas e indicadores de eficiência muito mais precisos para empresas de segurança privada. O funcionário da ronda faz uso do crachá inteligente e esses crachás se comunicam passivamente com antenas (beacons) estrategicamente posicionadas, que atestam o cumprimento da rota ou não pelo funcionário.

“Com isso, aumentamos o poder de decisão dos gestores e permitimos uma melhor prestação de contas junto aos clientes, evitando desgastes e reduzindo custos”, comenta.

Com o FindMe Security, o gestor pode visualizar as médias de tempo que sua equipe gasta em cada local e seu índice de eficiência no decorrer dos dias. Todos esses dados ainda são alinhados com dados externos e personalizados, para gerar maior inteligência para tomada de decisão e uma prestação de contas real e eficiente.

“Só trabalhamos com esse serviço agora e com ele já temos clientes em Natal e São Paulo, com grandes parcerias também, como com o Grupo Algar e a ABSEG, maior associação brasileira de funcionários de segurança”, complementa Gabriel Ranyer, CBO da startup.

Dentre os clientes citados por Gabriel estão a Marseg (RN), Fortaleza Service (RN), Santiferr (SP) e Schimidt Segurança (SP). A startup, agora, está sendo acelerada pela ACE, eleita pela 3ª vez consecutiva a Melhor Aceleradora da América Latina pelo Spark Awards, da Microsoft. A contratação do serviço pode ser feita através do site.